• Rods Dirtsamples

BRAIN DAMAGE meets BIG YOUTH - "2020 I Pray Thee"


Abrindo este álbum do Big Youth - o primeiro desde mais de uma década - aqui está um de seus hinos mais poderosos, "I Pray Thee", inesperadamente revisitado por Brain Damage. Uma atmosfera amaciada, com melodias de jazz lânguidas, enfatiza os encantamentos estrondosos do lendário mestre jamaicano. Esta sendo uma introdução perfeita para o rompimento musical sem precedentes inventado por ambos os artistas que, enquanto no meio da pandemia, se recusam a cair e não conhecem limites para a vitalidade de sua arte.



… Uma história na história

ou como condensar em uma frase de efeito, a incrível e terrível jornada vivida por Martin Nathan e seu amigo de longa data Samuel Clayton Jr, ambos foram para a Jamaica em março de 2020, para uma colaboração com o lendário Big Youth. O contexto de um primeiro bloqueio mundial sem precedentes lhes deixou muito pouco tempo para gravar as tomadas com o famoso DJ, antes que ambos contraíssem o vírus. Martin Nathan teve a sorte de poder voltar para a França, embora tenha que permanecer confinado e se cuidar sozinho em seu estúdio durante cinco semanas após seu retorno. Samuel Clayton Jr, porém, não voltou, acometido pela doença em Kingston.


A determinação do produtor, apoiada por seu selo Jarring Effects e pelo produtor jamaicano Stephen Stewart, levou o projeto à conclusão.


Por seu lado, uma coisa é certa, Big Youth está em grande forma! Ele assina de maneira brilhante seu retorno com aquele álbum, composto quase que exclusivamente de novas peças, o primeiro em muitos anos! Nas próprias palavras de vários músicos e cantores proeminentes que testemunharam as tomadas nos estúdios Anchor em Kingston, ele não perdeu nada de sua verve: ".…you still get it, man!!!", Espumante e inesgotável, destilando uma espantosa variedade de estilos vocais, que ele mesmo criou, recorda de imediato “os velhos tempos”, a época de ouro do reggae jamaicano nos anos 1960 e 70, realiza a sua versão algo conspiradora, da crise sanitária, evoca sua fé e fala sobre o amor ... enquanto se funde perfeitamente em cada universo oferecido por Brain Damage.


Como se estivéssemos encantados em ouvir a forma e a inventividade do ancião, Martin Nathan definitivamente não se superou e reformula seu estilo mais uma vez para a ocasião. Sempre mais musicais, suas composições integram influências diversas, até então inexploradas por ele, como jazz, blues, ska, rocksteady… realçadas pelos maravilhosos e suaves arranjos de trompa assinados por Franck Boyron e seus ajudantes Baptiste Sarat e Fred Roudet. O todo, baseado em uma produção que não deixou nada ao acaso, certamente é uma nova pedra fundamental da rica discografia da Brain Damage que nos mantém imaginando até onde isso nos levará de novo.


Samuel Clayton Jr, no entanto, fará muita falta. Se alguém pode ouvi-lo regular e claramente como samples, ao longo do que será o último álbum em que trabalhou, é acima de tudo sua mentalidade que Martin Nathan se esforçou para respeitar com essa nova aventura musical e humana.

A emoção é audível, tangível.